Temas de Redação ENEM: A Ditadura da Beleza

Temas de Redação ENEM: Quadro Afrodite

Elabore uma dissertação considerando as ideias a seguir:

Temas de Redação ENEM: Quadro Afrodite

Tema: Os efeitos de uma sociedade de padrões estéticos

Os ideais de beleza física, para a mulher ou para o homem, são cultuados desde a Antiguidade. Na mitologia grega, Afrodite (Vênus, para os romanos) era um símbolo de beleza. A imagem representa essa personagem, em versão renascentista italiana. É o quadro “O nascimento de Vênus”, pintado por Sandro Botticelli, por volta de 1485.

Alergia, rejeição, infecção, necrose…

Um jovem de 18 anos morreu na noite deste sábado (25) em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) após injetar hidrogel no pênis, segundo a polícia. O caso suscita muitos questionamentos. O primeiro deles são os potenciais graves riscos do uso inadvertido desse produto, como já ficou demonstrado no episódio envolvendo a modelo Andressa Urach e da morte de uma mulher em Goiânia (GO). O hidrogel é formado 98% por água e absorvido pelo corpo após cerca de dois anos. Em tese, quando usado por médicos e em doses recomendadas, é seguro, mas frequentemente temos visto várias complicações associadas ao seu uso. Entre elas, alergia, rejeição, infecção e necrose dos tecidos.

[Cláudia Colucci – Folha de S. Paulo]
Riscos X Vontade

Ser capaz de enfrentar qualquer sacrifício em favor da boa forma parece estar mais perto da realidade brasileira nos últimos tempos. As academias se proliferam pelas ruas das cidades, assim como salões de beleza com fórmulas mágicas de redução de medidas do corpo prometendo à mulher – e por que não ao homem também? – entrar naquele jeans tamanho 38, para ela. E vale também arriscar uma lipoaspiração e muitas pessoas estão recorrendo, embora a princípio a indicação deva ser exclusivamente para a boa saúde, à cirurgia bariátrica, a de redução de estômago, para ter aquele corpo que talvez nunca nem tivesse sonhado em ter. As próteses vêm sendo procuradas por uma camada cada vez mais jovem de pacientes. E de diferentes classes sociais. São alertados de todos os riscos, mas minimizados em favor da vontade.

[Tribuna do Norte]
Uma questão de bom senso

A busca pelo corpo perfeito leva muitas mulheres às clínicas especializadas em busca da remoção de gordura localizada, flacidez, celulite e rugas. Estes procedimentos, no entanto, estão se tornando cada vez mais invasivos. Por isso, especialistas recomendam bom senso. “Por influência das celebridades da TV, as pessoas estão banalizando a procura por esses tratamentos, exibindo corpos moldados por meio de cirurgias ou aplicações hormonais realizadas em momento inadequado”, explica a dermatologista Camila Ciarleglio. “Muitas vezes, essas sessões são realizadas ilegalmente por supostos médicos, que oferecem resultados milagrosos a baixo preço utilizando produtos de péssima qualidade”, completa.

[Veja SP]
Ditadura da beleza

A “ditadura do corpo perfeito”, pregada a ferro e fogo pela sociedade, tem se transformado em armadilha para aqueles que acreditam que a felicidade está em músculos grandes, em corpos magros e sem gordura. Em busca da beleza escultural, homens e mulheres ingerem e injetam substâncias capazes de fazer milagres. Por um lado, deixam o corpo bonito, forte e aparentemente saudável em pouco tempo. Em contrapartida, os produtos cobram um preço alto por isso: funcionam como um tsunami interno no organismo, causando doenças graves e, em alguns casos, até a morte. Preocupados com o cenário que já se tornou uma obsessão global, muitos especialistas dizem tentar convencer as pessoas sobre os riscos que correm, mas o esforço, segundo contam, tem sido em vão, principalmente entre os jovens que buscam essa fórmula da beleza a qualquer custo.

[Site LerSaúde]

Observações

  1. Seu texto deve ser escrito na norma culta da língua portuguesa;
  2. Deve ter uma estrutura dissertativa-argumentativa;
  3. Não deve estar redigido sob a forma de poema (versos) ou narração;
  4. A redação deve ter no mínimo 15 e no máximo 30 linhas escritas;
  5. De preferência, dê um título à sua redação.

Texto para análise

O culto à magreza nem sempre foi o padrão de beleza. Por volta dos anos 40, por exemplo, Marilyn Monroe e Elisabeth Taylor eram consideradas ícones femininos com suas curvas acentuadas e seus cabelos encaracolados. Hoje, a mídia e a própria sociedade ditam padrões bem diferentes dos naturais daquela época. Entre silicones e bisturis, resta discutir os impactos e as consequências dessa padronização na contemporaneidade.

O estigma do corpo perfeito é imposto todos os dias. Seja em capas de revistas ou em tutoriais na internet, homens e mulheres com corpos torneados estampam o ideal de perfeição. O problema é que, no mundo real, esse padrão é quase impossível de ser atingido, resultando em uma sociedade frustrada por nunca alcançar o que lhe é imposto. O sentimento que se desenvolve é que, fora daqueles padrões, o homem não é saudável, desejado, belo e “apto para o consumo”.

Além disso, essas padronizações não respeitam biotipos. O corpo humano é multidimensional e esteticamente plural por si só. Dentre tantas misturas e formas, chega a ser cruel eleger apenas uma como legítima e digna de representar o belo. Na busca desenfreada por se assemelhar a tal padrão, muitos chegam a arriscar suas vidas com procedimentos cirúrgicos arriscados e dietas que comprometem a saúde.

Outro ponto que não se pode esquecer é que vivemos em um mundo capitalista, em que desejos e interesses são produzidos em massa. Para a indústria do consumo é mais fácil padronizar os gostos, pois, assim, promovem o consumo desenfreado. Hoje, já se ouvem vozes contrárias a esses padrões. Entretanto, a mídia ainda tem um poder muito forte nas representações sociais e, como forte aliada do sistema capitalista, contribui para que esses estereótipos sejam perpetuados.

É preciso, portanto, que se reflita sobre essa representação corporal que nos é imposta a cada dia. O primeiro passo deve ser dado pelo próprio indivíduo, sendo mais flexível consigo mesmo e libertando-se dessa visão limitada de beleza. Aceitar-se é um processo de evolução. Na esteira desse movimento, deve estar o apoio dos agentes sociais. A escola precisa levantar esses questionamentos e debater sobre os estigmas corporais. A mídia, por sua vez, deve assumir a sua responsabilidade enquanto formadora de opinião e promover uma reflexão aprofundada sobre o assunto. Quem sabe assim, a sociedade compreenda que a singularidade da beleza está justamente no seu aspecto plural.

A Ditadura da Beleza e a Revolução das Mulheres é o título do livro de Augusto Cury, um dos escritores mais vendidos da atualidade e que retrata bem nessa obra como a sociedade de consumo, vigente nos dias atuais, gera uma pressão sobre o indivíduo induzindo-o a uma busca pela aparência perfeita, o que não existe e acaba por causar perdas de peso exageradas e risco de vida devido a auto-medicação aos que dessa ilusão padecem.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existe um índice de massa corporal (IMC) máximo e mínimo para cada altura, que deve ser respeitado como guia para a boa saúde. Todavia, é comum na indústria da moda, modelos magérrimas desfilam como se fossem verdadeiras beldades em uma passarela que pode levá-las à morte, enquanto servem de referencial de beleza muncial, o que é escandaloso.

Outro efeito colateral do devaneio coletivo no desejo pelo inalcançável são adolescentes morrendo em hospitais devido à necroses causadas pelo uso indevido de repositores hormonais, também chamados de anabolizantes, como a Deca, um remédio utilizado em pacientes com osteoporose grave, mas que tem sido utilizado na auto-medicação para se conquistar corpos mais torneados e musculatura definida.

É importante, portanto, que as autoridades competentes proíbam profissionais do mundo fashion abaixo do peso atuem em desfiles públicos, impedindo a influência dessa irresponsabilidade na sociedade. Ademais, o Ministério da Saúde deveria aumentar a fiscalização em farmácias e academias, dificultando a oferta de medicamentos sem prescrição médica. Assim, ter-se-á um país com cidadãos menos propensos aos riscos que influências duvidosas têm a oferecer.

2 Problemáticas:

  1. causa depressão
  2. riscos à saúde

2 soluções:

  1. Proibir IMC abaixo do recomendado pela OMS para modelos
  2. Aumentar a fiscalização em farmácias e academias pelo Ministério da Saúde
  3. Conteúdo educacional sobre os riscos de auto-medicação em canais de massa

No livro A Ditadura da Beleza e a Revolução das Mulheres, Augusto Cury retrata como a busca desenfreada por um corpo perfeito pode levar o indivíduo a neuroses, como a anorexia. Todavia, em homens, o desejo por um corpo musculoso tem imperado, o que tem aumentado os casos de complicações devido a auto-medicação de repositores hormonais, o que também é alarmante.

A anorexia é uma doença desencadeada por uma disfunção psicológica onde a paciente desenvolve uma imagem distorcida de si ao olhar no espelho, imaginando haver mais peso quando, na realidade, o que se há é um corpo definhando. Esse é um quadro grave que tem sido influenciado negativamente pela indústria da moda, onde modelos, contrárias às recomendações da Organização Mundial da Saúde, desfilam em desacordo com o Índice de Massa Corporal (IMC) recomendado para um corpo saudável.

Quanto aos medicamentos utilizados indevidamente por praticantes de auterofilismo que almejam uma musculatura definida, o mais popular é o Deca, indicado somente para pacientes com graves quadros de osteoporose mas que são adotados indiscriminadamente em muitas academias do país, causando, inclusive, morte por necrose muscular.

É importante, dessa maneira, que haja uma proibição do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) para profissionais do mundo fashion abaixo do IMC correto de atuarem em desfiles, como forma de impedir a indução do público a um inadequado comportamento alimentar. Outrossim, o Ministério da Saúde deveria aumentar a fiscalização de farmácias, dificultando a venda de medicamentos sem receita médica, para proteger uma demanda incauta. Dessa maneira, ter-se-á cidadãos mais saudáveis e felizes.

2 problemáticas:

  1. anorexia
  2. uso indiscriminado de anabolizantes

2 soluções

  1. proibição de modelos abaixo do IMC pelo CADE
  2. maior fiscalização de farmácias pelo Ministério da Saúde

O livro A Ditadura da Beleza e a Revolução das Mulheres, de Augusto Cury, mostra história de uma personagem que, apesar de ser considerada linda entre os colegas, se via como feia e gorda ao olhar no espelho, o que ilustra um grave quadro de anorexia. Tal comportamento tem seu equivalente no mundo masculino quando há a busca por um corpo cada vez mais malhado e definido, a ponto de levar o indivíduo a se auto-medicar com perigosos repositores hormonais.

A anorexia é um distúrbio psicológico que acarreta um comportamento alimentar preocupante, em que o paciente se recusa a comer, mesmo definhando. Apesar de esse ser um quadro relatado em artigos médicos anteriores que a própria indústria da moda, esta tem influenciado para o agravamento desse, pois tem sido impulsionada por modelos, que servem de exemplo de beleza a consumidores incautos, abaixo do Índice de Massa Corporal (IMC) sugerido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Já entre os homens, o uso de anabolizantes como o DECA, remédio normalmente utilizado, para pacientes com um grave quadro de osteoporose, tem sido o motor da busca por atender aos padrões de musculatura definidas ao extremo vigentes na sociedade, o que tem levado muitos jovens a complicações que, muitas vezes, acabam resultando em morte por desfalecimento dos órgãos ou necrose muscular.

Dessa maneira, é importante que órgãos competentes ao regulamento publicitário proíba modelos abaixo do IMC sugerido pelos médicos de atuarem em desfiles, impedindo que essas sirvam de exemplo ao público. Ademais, a fiscalização em farmácias deveria ser acentuada de modo a impedir a oferta de medicamentos sem receita médica. Assim, ter-se-á o início de um ciclo virtuoso, onde a norma será, cada vez mais, um corpo saudável servindo de exemplo aos consumidores.

2 problemáticas:

  1. anorexia influenciada por modelos magérrimas
  2. uso indiscrimado de anabolizantes

2 soluções

  1. proibição das modelos abaixo do IMC recomendado
  2. aumento da fiscalização em farmácias